• Global
  • Video
  • Gallery
  • World News
  • Sports
  • Navigation

    Stephanie Roche disputa com colombiano e holandês o prêmio da Fifa de gol mais bonito da temporada

    Stephanie Roche mostra sua habilidade (Foto: AFP)
    Ela deixou para trás ídolos como Ibrahimovic e Diego Costa. E aos 25 anos, tem a chance de cravar seu nome na história pelo topo. Com doses de sorte, talento, carisma e inspiração no futebol brasileiro, a irlandesa Stephanie Roche superou astros do futebol internacional e conseguiu o que o muito "marmanjo" bom de bola sonhava: estar na final do Prêmio Puskas. É a primeira vez que uma mulher figura entre os três nomeados para gol mais bonito do ano.  

    Steph - como é chamada em seu país - é uma espécie de versão feminina de Jessé, aquele frentista que fez um gol de trás do meio de campo, sem deixar a bola cair, pelo Atlético-AC, no Campeonato Acreano. Assim como o brasileiro, o feito de Stephanie Roche aconteceu em um cenário improvável: a Liga Irlandesa Feminina.

    Também como aconteceu com Jessé, o lance ganhou destaque nacional (no caso, na Irlanda) e gerou comoção para que estivesse entre os finalistas do Puskas. A diferença é que a Fifa comprou a ideia da irlandesa, e a meia da seleção da Irlanda disputa com James Rodríguez e Van Piersie o prêmio de gol mais bonito do ano. Uma briga que lembra a disputa bíblica entre Davi e Golias e já deixou muito craque consagrado para trás.

    - Eu nunca imaginei que esse gol chegaria ao Prêmio Puskas. No momento, eu só pensei em comemorar com as minhas companheiras. Todas nós saímos correndo como loucas para comemorar aquele gol. Foi um momento especial - contou Stephanie, por telefone.

    GOL GANHA A REDE; STEPH, O MUNDO

    O lance que mudou a vida de Steph ocorreu em 20 de outubro de 2013, na partida entre Peamount United e Wexford Youths. Palco bem menos badalado do que a Copa do Mundo, cenário dos gols de seus concorrentes ao prêmio. A jogada, no entanto, é uma verdadeira pintura. No lance, Steph recebe de costas para o gol na entrada da área, aplica um “chapéu invertido” em sua marcadora, gira e bate de primeira no ângulo (veja no vídeo acima). Isso tudo sem deixar a bola cair. Foi aí que a sorte bateu na porta da irlandesa. O momento, por pouco, não foi registrado.

    - Não era comum os nossos jogos da Liga Irlandesa serem filmados. Naquele dia, um membro da comissão técnica estava com uma câmera registrando tudo. Quando ficamos sabendo que havia registro do gol, corremos para editar, e meu empresário colocou no “YouTube”. Foi uma loucura como o vídeo se tornou viral e se espalhou rapidamente pela internet.

    Na Irlanda, as imagens ganharam o mundo e atingiram rapidamente mais de 3 milhões de visualizações na internet. Steph passou a dar entrevistas por toda a Europa e recebeu uma chance na Liga Francesa. Desde junho, a meia da seleção irlandesa defende o ASPTT Albi. 

    - É claro que o gol mudou a minha vida. Quem diria que um dia eu estaria falando com a imprensa brasileira? (risos). Passei a frequentar a mídia e os noticiários, e com isso recebi essas oportunidade no ASPTT Albi. 

    O desafio é grande. Apesar da experiência de frequentar a seleção irlandesa desde as categorias de base, Steph encontrou uma estrutura muito mais profissional na França. Ela reconhece que vem evoluindo, especialmente fisicamente. Feliz com a oportunidade, só lamenta a saudade da família e do namorado, o zagueiro Dean Zambra, do Bray Wanderers, da Irlanda. 

    PRÓXIMAS METAS: CONHECER CRAQUES E COMPLETAR HISTÓRIA

    Ter chegado tão longe não estava no imaginário de Stephanie Roche, mas agora ela quer mais. A irlandesa sonha ser a primeira mulher a vencer o Prêmio Puskas. Porém, como a eleição é feita por votação popular no site da Fifa, a meia irlandesa sabe que concorre com craques de Real Madrid e Manchester United, clubes com milhares de torcedores espalhados por todo o planeta. Se não der para levar o troféu, ela espera pelo menos ter a oportunidade de conhecer e conversar com alguns dos melhores jogadores da atualidade, que estarão no Fifa Gala, em janeiro, na Suíça. 

     - Essa é a primeira vez que uma mulher fica entre os três finalistas do Prêmio Puskas. Quem sabe não será a primeira vez que uma mulher conquista o prêmio? Mas só o fato de ser nomeada entre os três primeiros já é algo maravilhoso. Espero conhecer o Cristiano Ronaldo, o Messi e tantos outros craques.

    Steph também terá a oportunidade de ficar de frente com uma de suas maiores inspirações na carreira: a brasileira Marta, indicada à Bola de Ouro 2014. 

    - A Marta é uma grande jogadora, que tem uma técnica sensacional. Dá para dizer que ela é a melhor de todos os tempos. Uma lenda. 

    A alagoana, no entanto, não é a única inspiração brasileira de Stephanie Roche. A irlandesa também se diz fã de Ronaldinho Gaúcho. 

    - O futebol brasileiro sempre nos proporcionou grandes jogadores. Hoje temos o Neymar, mas eu diria que o meu preferido é o Ronaldinho Gaúcho. Ele tem magia.

    Via G1
    Share
    Banner

    Deixe seu comentário