• Global
  • Video
  • Gallery
  • World News
  • Sports
  • Navigation

    Jogos Escolares da Juventude


    “Wa writoizapto imwedi” não é erro de digitação. Essa é uma frase escrita em língua jê, falada pela etnia xerente, que tem representantes nos Jogos Escolares da Juventude Fortaleza 2015, etapa de 12 a 14 anos. O texto escrito pela atleta de futsal Letícia Xerente, 13 anos, da Escola Cemix-Warã (TO), em português, significa “Eu gosto de jogar futsal” e expressa o amor ao esporte e um pouco da cultura indígena presente no evento organizado pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB).

    Letícia foi artilheira do time feminino de futsal na estreia do torneio da Segunda Divisão. Ela marcou quatro gols, dos seis que o time fez, na vitória de 6 a 2 sobre o time do Instituto Várzea-grandense (MT). “Entramos na partida muito nervosas, mesmo fazendo o primeiro gol, eu estava tremendo, mas com o apoio do nosso técnico me acalmei e fiz mais três gols que ajudaram na nossa vitória”, relata a xerente.

    É a segunda vez que Letícia Xerente participa dos Jogos Escolares da Juventude. Na edição de Londrina, em 2014, ela integrou o time de handebol da Escola Cefya Frei Antônio (TO), quando foram vice-campeãs.

    Keilane, Vanessa, Zuleide, Naiara, Letícia, Aline, Neurimar, Eliana e Ângela.  Essa é relação das atletas do time feminino de futsal do estado do Tocantins. A primeira vista, uma escalação normal, não fora pelo sobrenome em comum entre as nove jogadoras: Xerente. “Na cultura indígena todo sobrenome sempre o nome da etnia, no nosso caso Xerente”, explica Letícia.

    Segundo o técnico Wesley Silva, a rotina das atletas de Tocantins começa bem cedo. ”Logo pela manhã, o ônibus da Prefeitura vai buscá-las nas três aldeias onde elas residem (Funil, Salto e Porteira) e as levam e trazem da Escola Cemix-Warã. Com a falta de estrutura para treinar, jogam futebol nos campos de areia onde desenvolvem suas habilidades com a bola nos pés”, afirma o treinador.

    Na escola onde as índias estudam, dos 500 alunos, mais da metade são de origem indígena. Essa alta taxa de índios nas escolas, segundo a chefe de delegação do Tocantins, Maria de Jesus Duarte, está relacionada ao fato da Câmara de Vereadores de Tocantina, em Tocantins, em abril de 2012 ter aprovado uma lei que oficializou a língua indígena akwén xerente como a segunda língua oficial no município. “Estimamos que cerca dos 50% dos 6.598 habitantes de Tocantina sejam indígenas da etnia xerente, o que justifica o alto número de índios e índias atletas”, conclui a coordenadora.

    Confira outros resultados dos torneios de futsal dos Jogos Escolares da Juventude Fortaleza 2015:

    Feminino

    Primeira Divisão
    Instituto Loide Martha (RJ) 0 x 6 (DF) CED Adventista de Taguatinga
    Cleto Campelo (PE)  0 x 8 (RS) Gusch

    Segunda Divisão
    Colégio Presbiteriano de Guarulhos (SP) 1 x 0 (ES) EMEF Deocleciano de Oliveira
    EM Francisco Martins Carrijo (MS) 3 x 1 (CE) EEF Álvaro de Araújo Carneiro
    Cemix-Warã (TO) 5 x 4 (BA) Colégio Integral

    Terceira Divisão
    Escola Progresso (RO)  4 x 2 (AL) Aurélio Buarque de Holanda
    Escola Estadual Indígena José (RR)  0 x 15 (RN) Expansivo Colégio e Curso
    H B E (PB) 9 X 0 (PI) CEB James Azevedo


    Share
    Banner

    Deixe seu comentário